Seu dedos longos e Minhas mãos gordinhas.


Lembro a primeira vez que eu fui “fuçar” o Orkut dela.
Eu estava com ciúmes, por que todo dia ela comentava nas fotos dos meus amigos, e todo dia eles chegavam na escola falando dela, todo dia era a mesma coisa: “ ai vamos lá na Desa hoje?” ,” ai ontem fui na Desa...”, “ ai a Desa é tão legal...” e bla bla bla...
Já estava de saco cheio dessa tal de Desa.
Até que um dia antes de entrarmos de férias no meio do ano, ele vem todo animado com a notícia:
“A Andresa vai se transferir pra cá depois das férias.”

Passaram-se duas semanas, e eu finalmente iria conhecer a menina dos olhos grande, e vóz bonita que todos falavam.
O sino tocou e como ele sempre chegava atrasado não nos importamos em esperá-lo, entramos na sala, nos sentamos, e de longe ouvi a voz dele, estava conversando com alguém, meu coração já bateu mais rápido, é ela.
Quando eles entram na sala todos que a conheciam foram pra cima dela, cumprimentar, dar boas vindas, levaram ela até o professor e finalmente a vi.  
Pequena, com os braços longos as mãos mais lindas que eu já vi, o olho cor de licor mais lindos e grandes do mundo, o cabelo amarrado pra cima, em dois perfeitos cocs, como ela se auto denominava a pucca.
Linda, realmente, mais eu com ciúmes, não dei meu braço a torcer, me dirigia a ela quando precisava mais meu coração pedia algo mais. Sempre que batia o sito para a troca de aula, todos saiam e ela ficava por que não podia andar sozinha, ela sempre tinha que berrar para lembrarem-se dela, ela sorria acanhada, brincando, mais eu via que ela odiava quando faziam isso. O tempo foi passando, eu me habituando a ela, mais ainda assim tinha aquela parede bloqueando.
Mais um dia quando íamos saindo da aula de educação física, todos foram apresados pra fora, e ela ficou como sempre, mais naquele dia ela não precisou berrar, por que eu decidi pegar na mão dela e levá-la até a próxima aula.
Estendi minha mão, ela olhou pra ver quem era, sorriu tímida, eu sorri confiante, e quando ela uniu sua mão na minha, eu decidi que nunca mais ia solta-la.
Depois daquele dia, a tal parede, o tal muro invisível, sumiu, se foi, por que demos chance uma à outra, e com a convivência nossa amizade foi crescendo e se desenvolvendo.
Agora depois de dois anos, não largo mais a mão dela, agora ela é minha confidente, minha cura, meu exemplo de vida, minha modelo e minha melhor Amiga.
Eu Te Amo! E por favor, nunca mais largue minha mão.

1 comentários:

Andresa Alvez disse...

Apenas perfeito! Chorei, de verdade!
Mesmo tu mal me conhecendo, já sabia as coisas que eu odiava né?
Obrigada por estar ao meu lado, por ficar comigo sempre, e pro não soltar a minha mão!
Eu Te Amo demais ♥

Postar um comentário