Magnetismo.


A ficha finalmente caiu, mas mesmo assim meu coração não quer ver, como se só o cérebro quisesse se livrar dele.

Ele me ama e não consegue viver sem mim, palavras ditas de sua própria boca, e é nisso que me agarro todos os dias, mas de que adianta isso se cada um interpreta de um jeito? Se ele se esvai das minhas mãos com habilidade.

Ele me abraça eu derreto, ele me olha eu derreto, ele pega na minha mão para brincarmos do “nosso” joguinho tolo, eu quase morro de amores.

Mas ao mesmo tempo eu olho para ele como meu velho amigo, que estará ali sempre que eu precisar, que me ama como irmã, que precisa de mim.

Somos como dois imãs na “geladeira de Deus”, quando separados não mostram atração alguma, mas quando juntos não conseguem se desgrudar.

Eu te amo com todas as minhas forças, disso eu estou segura e certa, só espero que eu te ame da maneira certa de agora em diante, como o melhor pedaço de mim e não como uma louca obsessão.

1 comentários:

Andresa Alvez disse...

Uma hora a ficha cai... Só falta a gente aceitar ela, e acho que isso é o mais complicado de tudo. Nada como o tempo, pra curar tudo e fazer a gente ter sentimento certo pelas pessoas.

Postar um comentário